‘Torto’ , de dentro para fora

Foto por Leandro Souza

Um dia de muitas sensações, muitas expectativas, de medo e coragem, inquietude e paz,  de procurar ouvidos para a nossa voz e também ouvir gritos silenciosos. Dia de sentir vibrações e embarcar em novos formatos, mas também de se reencontrar, de ressurgir.

A estreia de “Torto” foi muito esperada não só pelo público, mas também pelo elenco que estava cheio de curiosidade em como seria viver aquele momento e que sensação ele iria trazer. Além disso, ela foi muito significativa, não só pelo grupo estar comemorando 10 anos de existência, história, de muito teatro, compreensão, vivência, e principalmente amor, garra, respeito, disciplina e união, mas também pelo fato de algumas pessoas retornarem ao palco do grupo como ator depois de muito tempo, e isso é gratificante, inenarrável.

Um espetáculo que conta a história do grupo e ao mesmo tempo a história de cada um, possibilitando muitas conexões, e com o elenco não foi diferente. Atores com idades e experiências variadas, com estilos e olhares variados, se tornaram um só membro, um só corpo, a energia gritava, queriam desfrutar do momento com muita intensidade, e vários tons foram ouvidos em uma só voz. Uma voz que gritava as vozes de todos que pelo grupo já passaram, que viveram coisas únicas, que deixaram seu legado.

Um dia como outro qualquer, 10 de março de 2018, alguns acordaram e simplesmente tomaram seus cafés da manhã, saíram para dar uma volta no parque ou até trabalhar, porém algumas pessoas acordaram loucas para sentir, relembrar, gritar, significar, ou apenas respirar e viver aquele momento.